Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

a vidinha como ela é

(e uma mãe que mete a mão em tudo) por Claudia Borralho

a vidinha como ela é

(e uma mãe que mete a mão em tudo) por Claudia Borralho

Viagens em Família - Paris (parte 2 - Alimentação, o Sena e a Torre Eiffel)

31.10.16 | Claudia Borralho

Com 3 crianças e com orçamento apertado planear minimamente a alimentação é condição essencial para viajar.

Por isso antes de ir pesquisei a localização de McDonalds, pizzarias, Burger King... E já sabia que mesmo ao lado do hotel tinhamos uma bolangerie e um mini-preço :) (yay google maps earth view)

E, claro, enchi a mala de pacotinhos de bolacha suficientes para todos lancharem durante 5 dias (eram MUITOS pacotinhos de bolachas).

Já sabia que bastante perto de Denfert Rochereau (onde termina o OrlyBus vindo do aeroporto) havia McDonalds. E nós iamos chegar a precisar de almoçar.

Por isso foi sair do autocarro e ligar o Google Maps onde já tinha guardado o McDonalds ali perto. Ainda andamos um bocadinho às voltas até perceber para que lado o Maps dizia para ir.

No avião houve refeição, mas a contenção de custos já chegou a todo lado e parece que já deixou mesmo de haver comida quentinha nos aviões da TAP. Agora temos direito a uma sandes e um suminho. O pai comeu, a Oriana comeu depois de tirar os verdes e o tomate, a Laura esgravatou a sandes toda, fez uma bodega desgraçada e comeu qualquer coisa. Eu e o Gabriel que somos os mais esquisitinhos abstivemo-nos. (Já agora era uma sandes de atum com queijo creme, rúcula e rodela de tomate)

Com a barriga cheia de fast food voltamos à estação, compramos os bilhetes que faltavam e aventuramo-nos na rede de metro e comboio. Foi chegar ao hotel, descarregar as malas e descansar um bocadinho. E de volta ao metro!

 

O plano para esta tarde era ver a torre Eiffel. Não fizemos qualquer plano para subir lá acima, era algo que dispensavamos perfeitamente, nós queriamos era ver a dita e não a vista! Para além disso o pai já tinha dito que uma das coisas que gostava mesmo de fazer era andar de barco no Sena. Os Bateaux Mouche estavam fora de questão pelo valor, mas descobri os Batobus. São uma espécie de hop on hop off mas com circuito de barco no Sena. O valor para dois dias era basicamente o mesmo que o valor para um dia e ao fim de semana funcionavam até mais tarde. Uma vez que chegamos a um sábado, era perfeito poder andar por Paris de barco, as vezes que quisessemos, no sábado e domingo.

20161001_191510

 

 

A estação de metro mais próxima de uma estação batobus vindo do nosso hotel era a estação do Louvre. Ainda tivemos que andar um bom bocado, dar a volta ao Louvre, passear á beira do Sena e lá encontramos a estação do Batobus. Estes bilhetes já tinha comprado previamente online e foi só trocar o voucher pelos bilhetes. O Batobus tem ainda uma actividade gira para os miúdos, fazem uma caça ao tesouro :) É uma actividade paga à parte e o valor da actividade já inclui o valor do barco.

20161001_193119

 

 

É realmente muito giro passear de barco pelo Sena e ver as várias pontes que o cruzam. Para além disso ainda vemos do rio vários pontos turísticos como a torre Eiffel, a estátua da Liberdade (sim, há aqui a versão mini :) ) , o Louvre, o Museu D'Orsay, Notre Dame.

 

20161001_194450

20161001_195921

 

Saimos na paragem da Torre Eiffel e fomos admirar a dita :) Magnífica! Os miúdos estavam todos abismados :) O Gabriel fez questão de tocar na torre (o pai descobriu um sítio que dava para tocar) e depois fomos procurar um sítio para comer. Procurei por pizzarias no Google Maps e lá fomos jantar num italiano não muito caro (pizzas entre €9 e €13 e massas tb pelo mesmo valor).

 

Depois de jantar o plano era regressar no Batobus e fazer o circuito nocturno. Eu queria mesmo ver a cidade de noite. Acho que estivemos mais de 1h à espera na fila do Batobus e nada de Batobus. E estava frio, muito frio. Sorte ou azar aquele sábado era precisamente dia do evento Nuit Blanche em Paris. Iria estar tudo iluminado e iam acontecer uma série de eventos durante a noite. O próprio Batobus iria circular a noite toda em vez de terminar pelas 22h. O pai acabou por nos levar a apanhar um taxi de volta para o hotel. 

 

20161001_214449

 

Próximo - o Louvre, mais Batobus e Notre Dame

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.