Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

a vidinha como ela é

(e uma mãe que mete a mão em tudo) por Claudia Borralho

a vidinha como ela é

(e uma mãe que mete a mão em tudo) por Claudia Borralho

...

07.09.06 | Claudia Borralho
Ontem foi um dia mau. Não dormi grande coisa de noite e acabei por ficar em casa. O dia estendeu-se entre fazer máquinas de roupa e sestas no sofá.
Senti-me exausta e estranha todo o dia. Lanchei duas pêras por volta das 17h30. Uns minutos mais tarde começou a dor de cabeça.
O tempo a passar e a dor cada vez mais intensa e já com muito enjoo à mistura. Sempre que me levantava arrotava ao almoço.
Fui buscar uma toalha molhada para pôr na cabeça e sobre os olhos. Pesquisamos todos os livros de gravidez em busca de alívio. Deitar, elevar os pés, pressionar com o polegar entre as sobrancelhas... Pois sim, e a dor sempre a aumentar.
Às 20h a dor era tão intensa que eu nem conseguia adormecer.
Eu sabia que tudo aquilo era "normal" e que a única coisa a fazer era tomar um Benuron.
Tentei vomitar mas não conseguia, depois lá saia um arroto.
O tiago resolveu ligar para um daqueles médicos pelo telefone.
E eu lá me convenci a tomar o Benuron. Entre as 22h e 23h a dor amainou e eu consegui adormecer.

Acordei melhor, a dor de cabeça e os enjoos já lá não estavam, mas a dor tinha sido tão intensa que me parecia ainda senti-la a ressoar.
Eu precisava fazer cocó. Sentei várias vezes na sanita e nada saia. Fui beber o leite da manhã que me costuma sempre ajudar nisto.
Andei muito dum lado pro outro e consegui fazer três vezes.
Achei que já estava capaz de tomar um duche e vir pro trabalho.
Trouxe o carro. O objectivo era chegar aqui rápido e depois chegar a casa mais rápido ainda.

Eu adoro estar grávida, mas sinceramente nunca imaginei que fosse tão difícil. O desconforto é permanente. Dores nas costas, no pescoço, nauseas ligeiras mas que me deixam sem saber se como ou não como. Uma sensibilidade aos cheiros como nunca vi. Dores de cabeça ocasionais, e o cansaço omnipresente.

Desde o episódio em maio da intoxicação alimentar em que vomitei tudo o que havia e não havia para vomitar e me senti enjoadissima durante horas e horas, fiquei a saber o que é estar verdadeiramente enjoado.
Talvez devido a isso tenho ignorado as pequenas nauseas que sinto de vez em quando.
Mas a verdade é que sou mais uma grávida enjoadinha, talvez não tão enjoada como outras, mas enjoada ainda assim. Bahhhh