Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

a vidinha como ela é

(e uma mãe que mete a mão em tudo) por Claudia Borralho

a vidinha como ela é

(e uma mãe que mete a mão em tudo) por Claudia Borralho

uma canja diferente

08.01.08 | Claudia Borralho
(este blog está a tornar-se altamente culinário)

Está tudo doentito lá em casa e o marido diz-me que está farto de frango no forno (farto de frango com limão, farto de frango com sweet chili, farto de frango com sopa de cebola, farto de frango no forno ponto).
Como tinha tirado umas pernocas de frango resolvi fazer uma canja e depois qualquer coisa com o resto do frango esfiado (foi frango à brás by the way).
Entretanto lembrei-me da conversa de fim de ano com a minha Pomboquinha da canja sem sal que ela viu no programa do Jamie Oliver e que levava alho francês e assim.
Estava decidido, ia sair dali uma canja diferente.

Cozi as pernas cerca de 40 minutos (o ideal é cozer uma hora, mas já não me apetecia esperar mais) esfiei aquilo tudo e separei algum frango só para a canja. (sem sal nem nada, sem cebola, sem salsa, nadica, só mesmo água e frango*).
Uma vez o frango esfiado a panela voltou ao lume e juntei-lhe uma cenoura ralada, qb de alho francês e qb de massinhas cuscus. Acabei por lhe juntar uma pitada de sal (mas acho que nem precisava) e polvilhei generosamente com alho em pó.
Cozeu mais uns 8 minutos, mais coisa menos coisa.



Estava deliciosa.

O marido acho que nem teve coragem de provar que ele ouviu cenoura na canja e nem quis saber de mais nada. A verdade é que a canja está tão boa que eu fiquei felicissima de ver que ele nem lhe tinha tocado :) é que assim eu hoje posso comer mais!

Para receitas de canja mais tradicionais é dar um salto à cozinha da Elvira.


*colocar apenas a água necessária para cobrir o frango, água a mais embora possa dar a ilusão de mais canja e mais rendimento, resulta numa canja sem gostinho nenhum!

2 comentários

Comentar post