Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a vidinha como ela é

(e uma mãe que mete a mão em tudo) por Claudia Borralho

a vidinha como ela é

(e uma mãe que mete a mão em tudo) por Claudia Borralho

...

06.08.08 | Claudia Borralho

A minha visão actual do mundo não me permite ver grandes apoios à minha volta.

A minha sogra é um amor de pessoa e está sempre a abastecer-me o frigorifico com comida já feita, mas vive um pouco longe e não conduz. Ou seja, ir ter com ela implica tirar um dia e sair fora do caminho habitual. Para ter comida no frigorifico tenho de deixar a roupa da semana por lavar, já para não referir o pequeno aspecto do gabriel não dormir fora de casa.

O meu pai é fantástico com o gabriel e o gabriel adora-o, mas o meu pai não troca fraldas nem dá banhos.

A minha mãe, enfim... as férias de junho foram com os meus pais e posso dizer que voltei dessas férias a sentir-me completamente desamparada. Eu simplesmente não consigo confiar na minha mãe para tomar conta do miúdo. Nós pediamos que fechasse a porta da casa de banho e ela constantemente deixava-a aberta e depois dizia que se tinha aberto sozinha, nós pediamos que não desse garfos para a mão do gabriel e ela reclamava que nós faziamos o mesmo (???). A minha mãe acha que lhe consegue trocar a fralda sozinha e depois deixa o miúdo a correr em cima da cama quando não o consegue segurar. O miúdo atirou-se de cabeça de cima da cama para o chão (e sim, estavamos todos a ver que teriamos de ir a correr para um hospital). A minha mãe constantemente chama o gabriel de filha, filhota, claudia... A minha mãe deixa o gabriel a correr sozinho à beira da piscina, quando não consegue correr mais depressa que ele para o segurar e já sabe à partida que o que ele quer é atirar-se lá para dentro. Os exemplos continuam e continuam e continuam. A minha mãe chegou até a dizer que como é avó só ela sabe o que é melhor para o gabriel, muito mais do que o pai ou a mãe.

Os amigos moram longe e estão também eles ultra ocupados com as suas vidas, trabalho e filhos. E eu, sinceramente, nem me sinto confortável em andar a pedir favores.

O tiago trabalha em horários estranhos, já para não dizer que é workaholic e incapaz de sair a horas do trabalho. Eu às vezes até me questiono se não andará a refugiar-se no trabalho para não vir para casa. Muitas vezes até prefiro assim, 70% das vezes que o tiago trata do gabriel está constantemente a reclamar que ele berra, que não pára quieto, que não come, que não dorme, que chora...

Como tal, todos os dias sou eu que me ocupo do gabriel de manhã, que o levanto, dou o pequeno-almoço, besunto de creme, visto-o e levo-o à escola. Chego ligeiramente atrasada ao trabalho e depois saio um bocadinho antes da hora. Vou buscar o gabriel à creche, brincamos um bocadinho, vamos às compras ou ao parque. Preparo-lhe o jantar e tento jantar com ele, depois dou-lhe o banho e deito-o. E ele 99% das vezes é um anjo que adormece imediatamente.

Depois arrumo a louça, outros dias trato da roupa, limpo a areia aos gatos e ponho-lhes água e comida. Uns dias vegeto em frente à tv durante meia hora a uma hora, outros dias arrumo roupa e coisas assim. Deito-me e às vezes ainda ouço o tiago a chegar, outras já estou a dormir.

No dia seguinte apesar de ter dormido 9h de seguida não me consigo levantar. Sinto-me cansada e com muito sono.

É muito fácil sugerir que eu faça uma actividade ou algo assim, a verdade é que, a não ser que deixe totalmente de trabalhar, não tenho tempo para o fazer. Quem trata do bebé se não for eu?

Em casa também sou responsável por pagar todas as contas, fazer as compras, fazer os almoços e jantares, lavar a roupa, estendê-la, arrumá-la, mudar a cama do bebé, arrumar a sala, tratar da louça, tratar dos gatos, e mais que agora não me recordo. Digo-vos, é demasiada responsabilidade para uma pessoa só, ou pelo menos, neste momento eu sinto que é demais para mim.

 

E esta é a minha visão provavelmente muito injusta do que me rodeia.

sonhos

06.08.08 | Claudia Borralho

Acordo estremunhada com o miúdo a chamar ohpá, oooh páaaa, OH PÁAAAA!!!!

Eram 6h, fui espreitá-lo já a imaginá-lo sentado na cama ou de pé agarrado às grades.

Estava enroscadinho a dormir.

Que raios estaria ele a sonhar???