Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Claudia Borralho

A VIDINHA COMO ELA É (e uma mãe que mete a mão em tudo)

Claudia Borralho

A VIDINHA COMO ELA É (e uma mãe que mete a mão em tudo)

à la chef

Tem sido uma semana de invenções culinárias. Para o jantar de hoje está prestes a sair almondegas de peru e farinheira com esparregado de espinafres e arroz aromatizado de farinheira (ali o aromatizado é ultra chique ;P ).

 

O marido exclama que ando a ver demasiados Hell's Kitchen (ainda se tivesse dito Masterchef, sem confusões num cozinha-se, no outro é mais gritaria e trabalhar numa cozinha).

desculpa Jamie, disseste "portuguese caramel tarts"?

Fui espreitar o "Jamie's 30-Minute Meals" e qual não é a minha surpresa quando, ao ver o vídeo, lá mesmo no fim, O Jamie fala do frango piri-piri e de "portuguese caramel tarts". Revi aqueles segundos umas três ou quatro vezes para ter bem certeza do português caramelo tralala. Definitivamente ele estava a dizer "portuguese caramel tarts". O que raio são "portuguese caramel tarts"? A única coisa de que me lembrava assim emblemático seriam os pastéis de nata, mas isso não leva caramelo... Fui pesquisar.

Pelas fotos são mesmo parecidos com pastéis de nata e a receita leva crème fraîche e tal. Jasus! O Jamie acabou de inventar uma nova tradição culinária tuga! Depois quero ver quando começarem os turistas à procura das caramel tarts, ahahaha! (mas parecem ser bons, aquilo tem óptimo aspecto!)

Questionário Creches e Jardins de Infância

Tenho guardadinho numa gaveta um projecto muito especial para uma creche.

Seria uma grande ajuda se pudessem preencher este pequeno questionário. Se o puderem partilhar, por email por exemplo, enviem-me um mail para que vos possa encaminhar o link do questionário para partilha.

 

Create your free online surveys with SurveyMonkey, the world's leading questionnaire tool.

 

Muito obrigada!

 

Originally posted 28/7/2011 11:54

forma e função

Forma e função são os dois pratos da balança de todo e qualquer designer. De roupa, de equipamento, de interiores, graficos, web, todos eles tentam equilibrar estes dois pratos.

Já conheci designers cuja balança pendia um bocadinho mais para a forma (o bonito vá). Não descurando a função, a verdade é que viam o seu trabalho duma forma mais artística e ficavam super ofendidos com alguma pequena alteração. O trabalho deles não podia ser "violado".

Sempre considerei estes designers um pouco imaturos, sei que com a experiência aprendem a largar-se um pouco mais dos seus trabalhos e não vivê-los tanto como extensões da sua arte.

O meu prato sempre pendeu mais para a função, na verdade a arte no geral não me fascina, sempre gostei mais de coisas com utilidade prática (e sim, eu sei que a arte também tem a sua utilidade, no quebrar barreiras, convenções, fazer-nos pensar, mexer com as emoções... não vale a pena atacarem-me por aqui). Toda a vida me irritaram as plantas e flores da minha mãe, aquela selva como lhes chamava e quando me deu para a veia agrícola semeei salsa, coentros e feijões. No meu trabalho de design igual, acabava por preferir uma coisa mais feinha mas funcional a algo muito bonito e difícil de usar.

De tal forma que há uns anos atrás até lia com atenção as coisas deste senhor. Radicalissimo na altura, chegou a dizer que todos os sites deviam ser com fundo branco e todos os links sublinhados e no default azul (e pelos visto não mudou muito... pelo aspecto do site).

Era super funcional não acham? Uma web em que não haveria margem para enganos, todos os fundos da mesma cor, todos os links sublinhados e sempre na mesma cor, os botões sempre iguais. Um pouco como os sinais de trânsito. Mas um pouco aborrecido e não muito bonito...

Também já me deparei com designers cujo prato pende um bocadinho demais para a função. Lamento, mas se apenas vão pensar na funcionalidade isso não é design. O mundo não é feito apenas de duas cores, nem o vermelho significa sempre proibido e o verde avançar, há toda uma variedade de significados e culturas que tornam o mundo a maravilha que é.

Forma e função em equilíbrio, é esse o objectivo.

Pág. 1/2

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2005
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2004
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2003
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D